Segunda-feira, 11 de Fevereiro de 2008

Acreditar no outro

"Quando eu era mais jovem acreditava cegamente no amor humano. Se uns olhos me fitavam com ternura, se uns lábios me sorriam, eu pensava logo que isso era uma prova de que gostavam de mim. Tinha vontade de retribuir e sentia uma euforia que hoje sei que se chamava felicidade. Agora, é escusado olharem-me com ternura e sorrirem-me afavelmente. Para mim, esses gestos podem não passar de uma mímica, fazer parte de uma representação. Ainda que a pessoa que me olha ou sorri julgue que é sincera, o facto é que, mesmo assim, pode estar a representar. Pode não executar esses gestos por amor verdadeiro, puro, desinteressado. Ela pode ter um interesse qualquer, nem que seja o de me dominar com a sua aparente afabilidade, quebrar todas as minhas resistências, fazer de mim um fantoche, uma marioneta movida por cordelinhos."
 

Ponte levadiça – Isabel Gouveia

 

 

 

 

Clauclau às 01:27

| Comentar | Adicionar aos favoritos

Pesquisar

 

Posts recentes

Escolhas

Investir

Sonhar com o impossível

Amores

Amor

Felicidade

O que construimos

...

Algo melhor

Explosão de hormonas

Aventuras rápidas

Quero-te comigo

Arquivo

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

tags

afl(30)

amor(260)

ana santa clara(9)

casamento(10)

catherine dunne(11)

citações(324)

dr.ª robin l. smith(8)

ildikó von kürthy(13)

joana miranda(60)

jorge bucay e silvia salinas(11)

livros(308)

margarida rebelo pinto(32)

maria joão lopo de carvalho(10)

miguel sousa tavares(24)

paulo coelho(28)

robin sisman(9)

sofrimento(21)

stefania bertola(12)

suzanne schlosberg(10)

vida(183)

todas as tags

Readspeaker

Imagens

Retiradas da net