Segunda-feira, 31 de Março de 2008

Reconhecer

"Porque é que não reconhecemos que, de facto, é triste não esperarmos ninguém e acordarmos sozinhos ao sábado de manhã? Não termos um aconchego para o espírito, nem ninguém realmente especial para telefonarmos, simplesmente a contar as notícias banais do dia?"
 
Palavra de mulher – Maria João Lopo de Carvalho
Clauclau às 17:23

| Comentar | Adicionar aos favoritos
Sábado, 29 de Março de 2008

Relacionamentos

“Se ela desejava um homem e se ele também a desejava, faziam então todo o sentido que rapidamente estabelecessem uma relação de forma a satisfazer os respectivos apetites sexuais. Nesta linha, faria também sentido que prosseguissem este tipo de relacionamento enquanto ambos o desejassem e que o interrompessem assim que deixassem de se desejar mutuamente.” 
 
Contigo esta noite – Joana Miranda
Quinta-feira, 27 de Março de 2008

Doce obrigação

“Nos primeiros tempos não fizemos nada. Fazíamos amor em todo o sítio e todos os dias, sem falhar um, houvesse regras ou não houvesse. Era uma doce obrigação. Eu era faminto, sexualmente faminto. Ela não era menos. Dir-se-ia que tínhamos nascido para fazer amor. Esquecíamo-nos de coisas triviais, tais como jantar, por causa da dita obrigação. Não sei o que acontecia com os outros casais. Connosco era assim. Uma, duas, três vezes por noite. Acordava às três da manhã, excitado, efervescente e despertava-a para mim e ela deixava-se ir. Durante quatro ou cinco anos não olhei para mais nenhuma mulher. Andava a cair de sono pelos cantos, depois de noites longas de sexo e prazer. Sexo contido, entenda-se, não era a selvajaria de hoje em dia. Não havia gritos pelo meio, percebe?”

O espelho da Lua – Joana Miranda

Clauclau às 17:13

| Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 25 de Março de 2008

Hora certa

(...)Ao contrário do que os meus clientes pensam, o sexo não pode ser praticado a qualquer hora. Há um relógio escondido em cada um, e para fazer amor os ponteiros das duas pessoas têm de marcar a mesma hora ao mesmo tempo. Isso não acontece todos os dias. Quem ama não depende do acto sexual para se sentir bem. Duas pessoas que estão juntas, e que se querem bem, precisam de acertar os seus ponteiros, com paciência e preserverança, com jogos e representações "teatrais", até entenderem que fazer amor é mais do que um encontro; é um "abraço" das partes genitais.

Tudo tem importância. Uma pessoa que vive intensamente a sua vida tem prazer e não sente falta de sexo. Quando faz sexo, é por abundância, porque o copo de vinho está tão cheio que transborda naturalmente, porque é absolutamente inevitável, porque ela aceita o apelo da vida, porque ela nesse momento, apenas nesse momento, ela consegue perder o controlo."

Onze Minutos , Paulo Coelho

Clauclau às 17:10

| Comentar | Adicionar aos favoritos
Domingo, 23 de Março de 2008

Ponto sensível

“Tocara-me no ponto sensível. Eu estivera sozinha demasiado tempo e a perspectiva de continuar assim pelo resto da vida era assustadora.”  
O dia da Tormenta – Rosamunde Pilcher
 
Clauclau às 16:57

| Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 21 de Março de 2008

Obsessão

"Nenhum truque resultou para conquistar o seu apaixonado. Que mistério esse, o de um ser humano amar outro que não o merece, tudo fazer para ele e não sucumbir perante o desprezo que lhe é cuspido na cara. Eu sei que os psicólogos têm termos para designar tudo isso: obsessão, obsessão patológica. As paixões são obsessões doentias e levam o paciente a tomar atitudes erradas, as únicas que não convêm naquelas precisas circunstância. Mas que forças estranhas levam um ser perfeitamente normal a apaixonar-se estupidamente e a morrer de paixão? Que ligações secretas existem entre as pessoas? Por que razão as forças que as atraem não são recíprocas? Se a física e a química têm algo a dizer, tudo parece muito confuso. Um corpo é atraído por outro, mas este não sente o mesmo grau de atracção."

Ponte levadiça – Isabel Gouveia
Quarta-feira, 19 de Março de 2008

Faz de conta

"Mas como se isto não bastasse, até a linguagem que usamos é um verdadeiro faz-de-conta: já repararam no léxico da velha desculpa para despachar intrusos? «de momento o doutor está em reunião». Já não é a história da reunião que na grande maioria dos casos nunca existe, mas aquelas duas palavrinhas supinamente irritantes «de momento». Qual momento qual carapuça? O doutor não vai atender nunca, porque não está para o aturar, percebe? Ou o «se calhar» era melhor combinarmos jantar noutro dia. Não é se calhar coisíssima nenhuma! Apetece responder: Porque, vai atirar a moeda ao ar e se sair sim, vem jantar, se sair não, fica para outro dia! Tretas! Até nem me apetece nada ir jantar. E sem nos darmos conta continuamos com o faz-de-conta por dá cá aquela palha."

 

Palavra de mulher – Maria João Lopo de Carvalho

Segunda-feira, 17 de Março de 2008

Condição de solteira

“... ficando agarrada a uma relação que não ia a lado nenhum, só porque deixá-la parecia demasiado assustador.”
À procura do Homem ideal – Suzanne Schlosberg
Clauclau às 18:44

| Comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 13 de Março de 2008

13 de março

Passado dois anos, ainda não esqueci... nem esquecerei nunca...

 

 

 

 

Faz anos que o meu sonho de adolescente de uma vida a dois com o A desmoronou. Por mais que o tempo passe não consigo deixar de ter pena que comigo não tenha dado certo. Porquê comigo? Será que não merecia ser feliz? Não seria eu suficiente mulher?...

 

Tantas perguntas para as quais ao fim destes dois anos continuo sem resposta. Lá no fundo, gostaria que um dia ele me desse resposta a todas estas perguntas, mesmo sabendo que nunca há resposta para elas. As relações chegam ao fim por tantos motivos e por nenhum em concreto, mas gostaria de ter uma resposta para o facto de não ter ficado ao lado daquele que toda a vida amei, sem ele nunca ter merecido esse amor.

 

Sei que nunca terei essas respostas. 

Quero que ele fique a centenas de quilómetros de distância.

Quero que ele não venha perturbar o meu sossego.

Quero andar tranquila na rua, sem ter receio de me cruzar com ele, como aconteceu na semana passada. Apesar de ter passado por ele sem sequer olhar ao lado, como se estivesse de bem com a vida, como se a presença dele me fosse completamente indiferente, como se nunca o tivesse visto na vida, por dentro um turbilhão de ódio e de raiva flutuava.

Eu sei que não foi indiferente. As lágrimas que continuam a deslizar pelo meu rosto são a prova disso. Bem lá no fundo continua o sonho de criança, o desejo de que viesse ter comigo, de que me pedisse desculpas por todas as palavras amargas e histórias inventadas, que me envolvesse nos braços e me prometesse que no futuro tudo ia ser como no meu sonho de criança.

 

Será que um dia eu vou encontrar outro amor assim... ou pelo menos... será que um dia as lágrimas desse amor "falhado" vão mesmo desaparecer de vez...

 

 

tags: ,
Terça-feira, 11 de Março de 2008

Amigos... colegas...

“Tenho muito poucos amigos, hoje a maioria faz amizades por conveniência, por interesse, o conteúdo das mesmas é um vazio adornado de materialismos e futilidades.”
Faz-me feliz – Sérgio Cunha
 
 

“Vejo-os como colegas, não como amigos. Isso diz tudo. É uma camaradagem de armas, egoísta, de quem resiste como pode em pequenas lutas individuais em tudo semelhantes umas às outras, mas que jamais convergem numa luta comum. São uns filhos da mãe, de qualquer forma. Não hesitariam em esmagar-me sem piedade se disso dependesse a sua ascensão na carreira.”
O elogio do fracasso – João Teixeira Freire

Pesquisar

 

Posts recentes

Escolhas

Investir

Sonhar com o impossível

Amores

Amor

Felicidade

O que construimos

...

Algo melhor

Explosão de hormonas

Aventuras rápidas

Quero-te comigo

Arquivo

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

tags

afl(30)

amor(260)

ana santa clara(9)

casamento(10)

catherine dunne(11)

citações(324)

dr.ª robin l. smith(8)

ildikó von kürthy(13)

joana miranda(60)

jorge bucay e silvia salinas(11)

livros(308)

margarida rebelo pinto(32)

maria joão lopo de carvalho(10)

miguel sousa tavares(24)

paulo coelho(28)

robin sisman(9)

sofrimento(21)

stefania bertola(12)

suzanne schlosberg(10)

vida(183)

todas as tags

Readspeaker

Imagens

Retiradas da net