Quarta-feira, 6 de Junho de 2007

Alquimia do amor

“O que eu mais gosto no amor é que, quando é a sério, cabe tudo lá dentro. A paixão, o desejo, o pulsar das almas e a serenidade dos pensamentos, a vontade de construir outra vez o mundo à imagem e semelhança do que sentimos, a paz dos regressos e a poesia das folhas brancas que cada dia esperam a doçura das palavras e a certeza das ideias.
O amor é mais do que querer, desejar, sonhar e amar. É partilhar a vida inteira, numa entrega sem limites, como mergulhar no mar sem fundo ou voar a incalculáveis altitudes. O amor é muita coisa junta, não cabe em palavras nem em beijos, porque se leva a si mesmo por caminhos que nem ele mesmo conhece, por isso é que quem ama se repete sem se cansar e tudo promete quase sem pensar, porque o amor, quando é a sério, sai-nos por todos os poros, até quando estamos calados ou a dormir.
(...)
Mais do que uma paixão, que sobressalta a alma e extenua o corpo, e às vezes se consome a si mesma e desaparece sem deixar mais rasto do que um gosto amargo na boca e a perplexidade de tudo o que é absurdo, o amor sabe ser calmo e sereno, não tem medo nem dúvidas, nem se assusta com a vida e trata a rotina com cerimónia, para nunca a deixar chegar por perto e a minar com o seu espectro. Não, o verdadeiro amor sabe que pode fazer tudo para tornar a vida fácil e quase perfeita, como ela deve ser.
(...)
O amor a sério entre duas pessoas é como um cofre sem nada lá dentro, que se esvazia todos os dias e depois se volta a encher, sem medo de ladrões nem de assaltos, porque é protegido por si próprio. Ninguém lhe sabe dar o verdadeiro valor, porque o amor não tem preço e por isso não se pode roubar.
E quem ama, até pode estar apaixonado, mas nada chega ao amor quando o amor chega e entra na nossa vida, muda tudo e tudo na vida muda. O que havia antes apaga-se, deixa de ter sentido, reduz-se à sua insignificância de passado que já passou.
Amar alguém é começar a viver outra vez, terminou-se uma viagem e começa-se. Esquecem-se as desilusões, o medo de falhar, e aqueles que nos amaram ou que nós pensamos ter amado morrem sem dor dentro dos álbuns de fotografia e molhes de cartas desmaiadas, já sem voz nem lugar.
O amor é regenerador. Faz-nos vibrar como se fosse a primeira vez, pinta de claro as casas e as almas, junta sonhos num sonho comum, faz dos ideais coisas palpáveis e possíveis, deita-se cansado mas acorda novo e fresco, perpetua-se em palavras e gestos, sem nunca se desvirtuar.
Mas o amor a sério, o amor para durar uma vida, é quase secreto, quase escondido, quer-se discreto e comedido, independente e inconformado.
O amor não tem nenhuma receita milagrosa, é como um prato que se faz com alma e coração, a cabeça e o corpo, tudo em doses bem medidas, muita paz e serenidade. E quem o conhece, sabe que depois de ele nascer, é como uma criança que precisa de aprender tudo: falar, escrever, rir, respeitar, ir à escola e crescer, ouvir e às vezes não ter, lutar e nem sempre conseguir, chorar sem ninguém ouvir, mas nunca desistir de ser a maior e mais importante riqueza que uma pessoa alguma vez pode vir. E ter.”
 
“O truque está na entrega. Um amor sem entrega não é amor, é um compromisso que se faz com a vida e consigo próprio, mas estes compromissos, em que as pessoas embarcam na esperança de encontrarem uma vida estável e calma, transforma-se com o tempo na mais entediante e vazia das existências. Como tudo o que não é genuíno, rapidamente perde o brilho, a graça e a vida. O amor verdadeiro, não. È como uma árvore que cresce muito devagar, sem pressa nem objectivo, e que por isso mesmo não precisa de razões para existir. Por isso, quando oiço as pessoas dizerem: gosto de fulano tal porque tem estas e aquelas qualidades, desconfio sempre. Não se ama pelas qualidades. Nem por isto ou por aquilo. Ama-se simplesmente, e sobretudo ama-se apesar deste e aquele defeito que às vezes até podem ser um espinho na nossa vida. Porque para quem ama um pequeno espinho é sempre reduzido à sua verdadeira insignificância e nunca se deixa que ele se transforme num problema.”
 
 As crónicas da Margarida – Margarida Rebelo Pinto
 

          
Clauclau às 00:30

| Comentar | Adicionar aos favoritos
2 comentários:
De dom.bacelar a 8 de Junho de 2007 às 00:12
Olha eu sei que é trivial mas o Amor é ......bom. É um encantamento que tudo releva e só importa a pessoa amada. É encontrarmos-nos perdendo-nos nos sonhos do outro.
De Clauclau a 8 de Junho de 2007 às 14:04
Obrigada pela visita e pelas palavras. Sei que o Amor é bom, cheio de sentimentos que nos enriquecem, mas há algum tempo que não faz parte do meu dia a dia.

Li parte do teu blog e as dicas sobre os blogs...
...pois é... o Copy & paste"... o meu blog é um pouco isso. Não dá é para "colar" directamente porque todas as citações são transcrições de romances que vou lendo, sobre o AMOR e os seus altos e baixos.

Foi mesmo com essa intenção que criei o blog. A partilha do meu gosto pela leitura, pelos livros, pelo desfolhar das páginas, pelos pedaços de texto que retratam a realidade das relações, no intuito que quem leia essas passagens possa sentir o desejo de ler a totalidade do livro. Se conseguir que haja pelo menos uma pessoa que tenha decidido ler um livro devido a uma destas citações, já me dou por contente.

Comentar post

Pesquisar

 

Posts recentes

Escolhas

Investir

Sonhar com o impossível

Amores

Amor

Felicidade

O que construimos

...

Algo melhor

Explosão de hormonas

Aventuras rápidas

Quero-te comigo

Arquivo

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

tags

afl(30)

amor(260)

ana santa clara(9)

casamento(10)

catherine dunne(11)

citações(324)

dr.ª robin l. smith(8)

ildikó von kürthy(13)

joana miranda(60)

jorge bucay e silvia salinas(11)

livros(308)

margarida rebelo pinto(32)

maria joão lopo de carvalho(10)

miguel sousa tavares(24)

paulo coelho(28)

robin sisman(9)

sofrimento(21)

stefania bertola(12)

suzanne schlosberg(10)

vida(183)

todas as tags

Readspeaker

Imagens

Retiradas da net