Quinta-feira, 21 de Junho de 2007

Anel

“Ela olha para a mão esquerda dele. No anelar, lá está a prova. Sempre a vira lá, mas nunca pensara sobre isso, como se preferisse nem pensar se ele era ou não. De resto, isso, de facto, já pouco interessava. Todos os homens interessantes do mundo deviam ter aquela aliança com, no interior, o nome gravado das afortunadas “proprietárias.”

“Que ódio... – O que é que essas mulheres fazem para merecerem casar com estes homens, respirar o ar que eles respiram, dormir ao lado deles, serem amadas... e traídas por eles. Não se importava de ser traída por um homem destes.”

A outra metade da laranja – Joana Miranda

 

 

 

Clauclau às 08:51

| Comentar | Adicionar aos favoritos
7 comentários:
De aspalavrasnuncatedirei a 21 de Junho de 2007 às 12:23
O que simboliza uma aliança? Quem a usa cumpre com os votos que fez? Serve para nos lembrar a nós, ou para lembrar aos outros? Há muito que tirei a minha
De Clauclau a 22 de Junho de 2007 às 00:04
Acho que nem a aliança nem o próprio sacramento do matrimónio têm qualquer fundamento na sociedade actual. A aliança é vista apenas como um mero adorno no dedo; e a cerimónia do casamento apenas como mais uma ocasião para se "pavonearem" em frente aos outros. Já ninguém dá valor a isso e rapidamente se esquecem do "prometo amar-te e respeitar-te, .....".
Cada vez conheço mais casamentos religiosos que duram apenas 6 meses e isso faz-me uma certa confusão.
Tenho uma família enorme e só houve um divórcio até à data. Todos os outros casamentos se mantêm, no meio de arrufos, brigas, insultos e sei lá mais o quê. Mas é verdade que todos têm feito os possíveis para não desfazer os laços.

Quando publiquei o post , pensei que a aliança é um dos sinais que, quando conhecemos uma cara nova, nos permite saber se essa pessoa tem ou não alguém. Há uns anos atrás namorei com um tipo. Passado dois meses de termos começado a sair juntos, estávamos nós num bar a beber um copo quando uma colega minha me fez sinal para olhar para a mão dele. Nem quis acreditar quando vi a aliança. Não lhe disse nada. Passado uns minutos ele apercebeu-se que se tinha esquecido de a tirar e rapidamente a colocou no bolso. Quando ficámos a sós, confrontei-o com a situação. Primeiro tentou fazer-me crer que eu estava a fazer filmes, mas depois lá contou que existia outra pessoa que não estava em portugal. Fiquei parva. Durante o dia estavamos juntos porque ele era meu colega de trabalho e à noite e aos fins de semana tinha sempre tempo para mim. É claro que nunca tal coisa me tinha sequer passado pela cabeça. Senti-me traída quando eu era o objecto de traição. Não o perdoei. Ele traia a "oficial" sem qualquer escrúpulos. Pela primeira vez, senti na pele que era a outra. Se outros namorados me fizeram o mesmo, não sei, nunca descobri as traições. Mas ali tive a certeza.
Quando soube da existência dela, tive pena dela, e continuo a ter pena dela, pois como se diz "quem engana uma vez, mais uma vez enganará" e tenho a certeza que ele a continua a enganar. Passado uns tempos, ela encontrou o meu número no telefone dele. Ligou-me a perguntar se alguma vez tinha tido alguma coisa com ele e eu desmenti. Disse que eramos apenas velhos amigos e que já não o via há anos. Não queria causar problemas na relação deles, mais do que já tinha causado, porque se eu tivesse tido conhecimento da existência dela, nunca se teria passado nada. Por vezes pergunto-me se fiz bem em ter desmentido. Eles continuam juntos, mas ele continua a ser infiel, como sempre foi. Ou seja, será que seria melhor lhe ter tirado o véu dos olhos? Não. Não quero essa responsabilidade. Se ela quiser abrir os olhos, que abra... mas acredito que muitas não abrem os olhos porque preferem continuar a viver a ilusão. E o pior, é que ele lhe continua a dar a volta com as suas conversas, mostrando-lhe que os ciúmes dela são doentios, e que não tem motivos para isso. E quem sou eu para a criticar? Quando namorei com ele também nunca duvidei das palavras dele, até ter provas em contrário...
De aspalavrasnuncatedirei a 22 de Junho de 2007 às 00:42
És uma pessoa fantástica e ele perdeu uma grande mulher.
Beijinhos.
De Pedro de Sousa a 22 de Junho de 2007 às 18:13
Sabes bem que não é verdade... se o teu homem te traisse ficarias doida... se o amasses verdadeiramente...

Beijinhos
De Pedro de Sousa a 22 de Junho de 2007 às 18:18
Desculpa... só depois de ter visto os outros comentarios percebi...

Bj
De Clauclau a 22 de Junho de 2007 às 20:53
Obrigada pela visita!

Cada vez estou mais convencida de que ainda não amei verdadeiramente... Já sofri, já chorei muita lágrima, mas continuo convicta de que o verdadeiro amor tem de ser mais do que aquilo que vivi...
De Pedro de Sousa a 22 de Junho de 2007 às 21:37
Minha amiga
O mundo é feito de lagrimas
Não porque ele seja mau... mas porque os desencontros constantes nos fazem sofrer...
E a culpa é de quem? interessante... de ninguem...
É o sermos livres que nos dá a possibilidade de desencontros...
Mas tambem é essa a beleza da vida
Procura-a... quem sabe...

Beijinhos

Comentar post

Pesquisar

 

Posts recentes

Escolhas

Investir

Sonhar com o impossível

Amores

Amor

Felicidade

O que construimos

...

Algo melhor

Explosão de hormonas

Aventuras rápidas

Quero-te comigo

Arquivo

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

tags

afl(30)

amor(260)

ana santa clara(9)

casamento(10)

catherine dunne(11)

citações(324)

dr.ª robin l. smith(8)

ildikó von kürthy(13)

joana miranda(60)

jorge bucay e silvia salinas(11)

livros(308)

margarida rebelo pinto(32)

maria joão lopo de carvalho(10)

miguel sousa tavares(24)

paulo coelho(28)

robin sisman(9)

sofrimento(21)

stefania bertola(12)

suzanne schlosberg(10)

vida(183)

todas as tags

Readspeaker

Imagens

Retiradas da net