Segunda-feira, 3 de Setembro de 2007

O que lhe vai acontecer...

“- De qualquer modo, o facto era que tínhamos três filhos – O Damien , o Brian e a Lisa – e mantivemos a coesão durante grande parte dos vinte anos, como fazem os casais. Mas, há cerca de dez anos, senti que algo estava mal: entenda-se, mesmo mal, à excepção de todos os «males» diários com que aprendêramos a viver. As coisas tinham-se tornado insípidas, suponho, e decepcionantes. O Bem tornara-se cada vez mais obcecado pelos negócios – nesse tempo estava lançado no negócio do imobiliário, e eu refugiei-me na família. Depois, inesperadamente, há oito anos, descobri que mantinha outra relação.
- Oh – exclamou Sam . – Isso deve ter sido penoso.
Rose acenou. – Sem dúvida que foi. Embora as coisas não andassem bem há muito tempo – eu aprendera desde muito cedo que não estava no topo da lista de prioridades do Bem -, ser preterida é uma história completamente diferente. De repente, sentimos falta de tudo quanto nunca tivemos na realidade, e começa uma verdadeira vertigem de emoções. Vou directa ao assunto: há oito anos, numa manhã de Abril, ele entra na cozinha e diz-me que se vai embora, que já não me ama. Já tinha a mala pronta e não havia nada a fazer. E lá foi ele.
- E nunca mais o viste? – Sam parecia incrédulo.
- Oh, vi pois. E de mala feita. Patético, não é? A mulher do seu sócio: a glamorosa Caroline . Por acaso, é uma mulher muito simpática. Mais tarde fizemos as pazes; ela até me recomendou a clientes quando iniciei o meu negócio de «Catering”. Creio que o único erro grave que cometeu na sua vida, marcada por um gosto irrepreensível, foi apaixonar-se pelo Ben.
Sam riu-se para ela. – Então, ela depois largou-o? – Rose riu-se. Para ela era uma fantasia passageira. Ficou horrorizada quando ele lhe confessou que deixara a mulher e os filhos. Ela não queria nada de duradouro com o Bem. Despachou-o a grande velocidade e voltou para o seu marido. Foi o fim das suas férias românticas. E o resto, como se diz, é história. voltei à realidade com uma rapidez surpreendente e resolvi que não queria o Bem de volta, mesmo que ele pedisse. Foi como um despertar, como algo que estivesse a aguardar inconscientemente durante anos. Queria terminar a relação, assegurar a protecção dos filhos e seguir a minha vida.”
A outra face do amor – Catherine Dunne
Clauclau às 00:00

| Comentar | Adicionar aos favoritos
2 comentários:
De Di a 3 de Setembro de 2007 às 00:54
Boa Noite.. Passei a aqui no seu blog e gostei mt do que li.. vou levar o link e voltarei mais vezes..
De Clauclau a 3 de Setembro de 2007 às 17:27
Olá Di. Também gosto muito do que escreves.

Um beijinho!

Volta sempre!



Comentar post

Pesquisar

 

Posts recentes

Escolhas

Investir

Sonhar com o impossível

Amores

Amor

Felicidade

O que construimos

...

Algo melhor

Explosão de hormonas

Aventuras rápidas

Quero-te comigo

Arquivo

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

tags

afl(30)

amor(260)

ana santa clara(9)

casamento(10)

catherine dunne(11)

citações(324)

dr.ª robin l. smith(8)

ildikó von kürthy(13)

joana miranda(60)

jorge bucay e silvia salinas(11)

livros(308)

margarida rebelo pinto(32)

maria joão lopo de carvalho(10)

miguel sousa tavares(24)

paulo coelho(28)

robin sisman(9)

sofrimento(21)

stefania bertola(12)

suzanne schlosberg(10)

vida(183)

todas as tags

Readspeaker

Imagens

Retiradas da net