Terça-feira, 6 de Novembro de 2007

Desconfianças

"- E o Mike vai lá estar, não é? – ouvi-a perguntar, elevando a voz acima do barulho do trânsito. – Vou vê-lo?
- Vais, sim.
- Eu não posso acreditar que estou a fazer isto – protestou ela- A deixar-te levar-me a um sítio desconhecido sem uma única pista.
- Pois bem, estás a fazê-lo, porque me pediste que seguisse o Mike e agora vou mostrar-te o que descobri. – Continuámos em silêncio.
- Ainda é muito longe? – perguntou, assim que chegámos à outra margem do rio.
- Não, não é. – disse eu, parando à porta do Sr. Thoma’s . – É mesmo aqui.
- Aqui? Isto é o hospital.
- Exactamente.
- Vamos entrar no hospital?
- Vamos. Vá, anda. – Seguimos as placas até à entrada principal.
- Mas porquê? – ouvi a Hope perguntar. Não respondi. – Porquê? – repetiu quando passámos pelas portas automáticas.
- Porque é aqui que vamos encontrar o Mike . – Ultrapassámos a florista e o quiosque dos jornais e deixámos para trás a recepção, dirigindo-nos para o bloco de elevadores onde dez ou doze pessoas estavam já à espera. – É aqui que ele vem.
- Não compreendo – sussurrou ela. – Ele não está doente, pois não? Por favor, não me digas que ele está doente Laura.
- Ele não está doente.
- Então que raio é que ele vem aqui fazer? – As portas do elevador abriram-se e nós entrámos. – Vem visitar alguém? – murmurou. Premi o botão do sétimo andar.
- Sim. Vem visitar uma pessoa. – O elevador deteve-se no terceiro andar, os outros ocupantes saíram e ninguém entrou. Estávamos sós.
- A Clare ? – perguntou a Hope . – Ele vem visitar a Clare ?
- É isso mesmo.
- Oh, meu Deus. Ela está, então, doente...? – Não respondi. – É então isso? Ele vem visitá-la, porque ela está doente? Pobre mulher... Mas o que ela tem? Deve ser grave, para ele vir aqui há dois meses. Por que é que não te limitaste a dizer, Laura? Por que é que não falas?
- Porque eu quero que tu vejas.
- Mas eu não percebo – protestou ela. – Para que é todo este mistério? E se ela está realmente doente, a última coisa que ela deve querer ver aparecer-lhe à cabeceira da cama é a mulher legitima do namorado, não achas?
Sétimo andar.
Ao sairmos, a Hope reparou na placa na parede e deteve-se. Empalidecera.
- Tens a certeza de que é aqui?
- Tenho.
Ela levou a mão à boca. – A certeza absoluta?
- Absoluta.
- Então... – Ouviu-se um pequeno soluço. – Oh, meu Deus... há um bebé?
- Há um bebé, é verdade.
- Oh meu Deus – repetiu ela. – Um bebé. Há um bebé... – Abana a cabeça. – Oh, meu Deus... Eu não consigo entrar Laura .
- Eu acho que devias entrar.
- Não consigo. Não sou capaz. – Tinha os olhos rasos de lágrimas. Olhava para mim acusadoramente.
- Confia em mim.
- Confiar em ti? Por que é que havia de confiar em ti? Tu estás a ser má. Má... – A boca dela contraía-se em desespero. – Sádica e má. Trazer-me a um lugar destes...
- Podes pensar isso, mas não é verdade.
- Então por que é que me trouxeste aqui? Para esfregares isto no meu nariz? Para assistir à minha dor? Não compreendo! – Ela procurava na mala um lenço. – Quem me dera nunca te ter pedido – chorava ela. – Quem me dera nunca, nunca, te ter pedido para me ajudares!
- Pois bem, mas pediste – sussurrei , em resposta. Premi a campainha vermelha e uma enfermeira veio abrir.
- Olá – cumprimentou ela. - Esteve cá há dois dias, não esteve?
- Estive. Esta é a minha irmã.
A Hope conseguiu esboçar um sorriso lacrimejante.
- Podem ir. Já sabe o caminho não é.
A Hope conseguiu esboçar um sorriso lacrimejante.
- Podem ir. Já sabe o caminho, não é?
A Hope gemia de desespero.
- Tu és... uma vaca – rosnou ela, enquanto lavávamos as mãos no lavatório das visitas, conforme era solicitado. – Em que é que estás a pensar? A forçar-me a vir aqui só para ver que o meu marido tem não só uma amante, mas também uma filha dela. Por que é que me estás a fazer uma coisa destas? – sibilou ela, tirando uma toalha verde de papel. – Que prazer doentio é que tu tens em ver-me... sofrer desta maneira? – Premiu o pedal do cesto do lixo e atirou para lá a toalha. Eu não respondi. – É alguma coisa relacionada com a nossa infância? Alguma coisa por que me queres castigar, passados vinte anos?
Percorremos o corredor, agora em silêncio, apenas escutando o choro dos bebés e o murmúrio respeitoso dos visitantes. Ouvíamos os nossos sapatos calcorrear o chão através do linóleo.
- Por que é que estás a fazer isto? – repetia a Hope , Sotto você. – O que é que eu te fiz para justificar um comportamento tão cruel, Laura, tão deliberadamente cruel, manipulador, um comportamento horrível? Porquê comigo? Meu Deus, Laura... é uma tão grande maldade e eu não com... preen ... do... eu.... Oh...
À distância, sem se aperceber da nossa presença, estava o Mike . As mangas da camisa estavam arregaçadas e ele andava para trás e para diante, com o bebé nos braços e o rosto transfigurado pela compaixão e pela ternura.
- Shhh ... meu amorzinho. Shhh ... vá, não chores. Por favor, não chores, minha menina pequenina... vá lá, não chores...
A Hope estava presa ao chão, imóvel, a olhar para o Mike , que passeava o bebé de um lado para o outro.
- Eu não aguento. – Ela abanava a cabeça. – Não posso... simplesmente não posso...
- Shhh ... Não chores, bebé... Não chores.
- É aqui que ele vem?
- Sim.
- Desde há dois meses?
- Vá, não chores...
- Desde há dois meses.
- Eu não aguento – soluçou ela. – Sinto-me... mal... Oh, meu Deus... Oh, meu Deus... um bebé. Um bebé. E onde está essa... Clare , então? – murmurou. – Onde está ela? Eu quero vê-la, já que estamos aqui. Quero ver essa mulher que teve o filho do meu marido. A mulher que destruiu o meu casamento, o meu futuro e toda a minha... vida. Onde está ela? Onde está ela? Onde está a Clare ? – perguntava ela. – Por que é que não me dizes, Laura?
- Está ao colo do Mike – informei em voz baixa.
- O que é que estás a dizer?
- Está ao colo do Mike .
Ela pestanejou.
- Mas... não compreendo.
- A Clare é o bebé.
- A Clare é o bebé? Ah. Então... quem é a... mãe?
Encolhi os ombros. – Não sei. E o Mike também não sabe. Ele nunca a viu... e nunca a irá ver.
A Hope olhava para mim como se eu estivesse a falar uma língua desconhecida.
- E então... o que...?
- A mãe da Clare é uma viciada em heroína, portanto a Clare nasceu também viciada. E os bebés de mães drogadas sofrem os sintomas de carência, portanto precisam de alguém que lhes pegue e que os embale e que os passeie, porque têm tendências para estados de grande agitação e choram muito. E como têm os músculos muito tensos, torna-se difícil descontrair para adormecer, portanto precisam de doses extra de mimo e de colo, o que as enfermeiras nem sempre têm tempo para fazer. É precisamente a isso que o Mike se dedica, de há dois meses para cá, bem como mais alguns voluntários. Ele não faz a mais pequena ideia de que eu estou ao corrente, nem que falei com a enfermeira que organiza este programa.
- Oh – fez a Hope . Continuava de olhos fixos no Mike . Os lábios tremiam-lhe. Depois vi uma lágrima rolar-lhe pela cara abaixo.
- Shhh , meu bebezinho – ouvimo-lo dizer. – Shhh ...
- Oh – sussurrou ela. – Estou a ver
- Shhh , querida... Shhh , está tudo bem... está tudo bem, minha pequenininha... Vais ficar bem... vais ficar bem... Não chores... por favor, vá lá, não chores...
- Então... ele não tem uma amante?
- Não.
- Então... era isto que ele vinha fazer?... – pestanejou, incrédula.
- Uma obra de caridade, Hope."
Apaga a luz – Isabel wolff
 

 

 

Clauclau às 22:35

| Comentar | Adicionar aos favoritos
3 comentários:
De Lua de Sol a 12 de Novembro de 2007 às 00:26
Este texto está fantástico. Com pormenores de delicioso suspense...

Beijo
De Clauclau a 12 de Novembro de 2007 às 10:38
Olá Lua de Sol. Adorei o livro e recomendo uma leitura do mesmo.
Esta passagem é magnifica.
A personagem Hope descobre no bolso do Marido uma factura relativamente à compra de uma pulseira onde consta a inscrição Clare. Ao ler o livro, somos levados a acreditar que ele tem mesmo uma amante. E esse é mais um dos motivos que torna este desenlace surpreendente. Ainda mais, quando se trata de um casal que não queria filhos... já estou a contar demasiado... lê... se quiseres é claro... mas recomendo.

Beijos
De Lua de Sol a 12 de Novembro de 2007 às 15:03
Oi, Clauclau!
Obrigado pela dica:)
Realmente, parece interessante.

Beijo

Comentar post

Pesquisar

 

Posts recentes

Escolhas

Investir

Sonhar com o impossível

Amores

Amor

Felicidade

O que construimos

...

Algo melhor

Explosão de hormonas

Aventuras rápidas

Quero-te comigo

Arquivo

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

tags

afl(30)

amor(260)

ana santa clara(9)

casamento(10)

catherine dunne(11)

citações(324)

dr.ª robin l. smith(8)

ildikó von kürthy(13)

joana miranda(60)

jorge bucay e silvia salinas(11)

livros(308)

margarida rebelo pinto(32)

maria joão lopo de carvalho(10)

miguel sousa tavares(24)

paulo coelho(28)

robin sisman(9)

sofrimento(21)

stefania bertola(12)

suzanne schlosberg(10)

vida(183)

todas as tags

Readspeaker

Imagens

Retiradas da net