Terça-feira, 15 de Janeiro de 2008

Emoção patética

“Porque estou a pensar em Velazquez a meio da noite? Ridículo! Conheço-o há apenas dois meses. Dois meses! Nunca acreditei no amor à primeira vista. O amor é construído, dia a dia, gesto a gesto. O que sinto mais não é do que uma emoção patética, de que não consigo definir os contornos. É fácil rotular de amor coisas que o não são: entusiasmo, atracção física, cumplicidades, sensações avulsas que desencadeiam marés de adrenalina. Seria perfeitamente idiota se me apaixonasse por um homem como Velazquez! Não temos nada em comum. Existe o fosso geracional, os valores, a paixão dele por Verónica, o feitio irascível, o estilo de vida, os objectivos, os modos de ser.”
 
O espelho da Lua – Joana Miranda
Clauclau às 18:18

| Comentar | Adicionar aos favoritos

Pesquisar

 

Posts recentes

Escolhas

Investir

Sonhar com o impossível

Amores

Amor

Felicidade

O que construimos

...

Algo melhor

Explosão de hormonas

Aventuras rápidas

Quero-te comigo

Arquivo

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

tags

afl(30)

amor(260)

ana santa clara(9)

casamento(10)

catherine dunne(11)

citações(324)

dr.ª robin l. smith(8)

ildikó von kürthy(13)

joana miranda(60)

jorge bucay e silvia salinas(11)

livros(308)

margarida rebelo pinto(32)

maria joão lopo de carvalho(10)

miguel sousa tavares(24)

paulo coelho(28)

robin sisman(9)

sofrimento(21)

stefania bertola(12)

suzanne schlosberg(10)

vida(183)

todas as tags

Readspeaker

Imagens

Retiradas da net