Quinta-feira, 30 de Outubro de 2008

Qual o caminho

"... não faço ideia para onde vou. Não vejo a estrada à minha frente. Não posso saber ao certo onde termina. Tão-pouco me conheço verdadeiramente e o facto de pensar que estou a seguir a Tua vontade não significa que esteja realmente a fazê-lo."

 

Sue Monk Kidd - A ilha das Graças

Clauclau às 22:27

| Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 29 de Outubro de 2008

Privação da imensidão do mundo

"Com o inverno, a sensação tinha-se intensificado. Via uma vizinha a correr pelo passeio diante da casa, a treinar, imaginava eu, para a escalada do Kilimanjaro, ou uma amiga no meu clube de leitura a fazer um relato minucioso do seu bungee jump de uma ponte na Austrália, ou - e este era o pior de todos - um programa televisivo sobre alguma mulher intrépida a viajar sozinha na paisagem azul da Grécia, e sentia-me submergida pelo pequeno rio de centelhas que parecia fluir por baixo de tudo isso, pelo sangue/seiva/vinho, pela energia, o que quer que fosse. Enchera-me de um sentimento de privação da imensidão do mundo, das coisas extraordinárias que as pessoas faziam das suas vidas - embora, no fundo, eu não desejasse fazer nenhuma dessas coisas em particular. Não sabia então o que desejava, mas o anseio era palpável."

 

Sue Monk Kidd - A ilha das Graças

 

 

Clauclau às 10:19

| Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 10 de Setembro de 2008

Desconfianças

"Se sente compulsão para ir atrás do seu marido para ver onde é que ele está; se anda sempre a telefonar-lhe para saber o que é que ele anda a fazer; se não aceita que ele saia à noite com medo de que tenha encontros amorosos; se examina as roupas dele à procura de sinais de promiscuidade; se manda alguém conferir se é verdade que ele está onde disse que estaria - acredite que nada disso vale a pena, que tudo conduzirá ao sofrimento, ao stress e à deterioração da relação."

 

 

"Repita com a máxima frequência possível «A minha vida sou eu, apenas eu, e somente eu posso tornar a minha vida feliz.»"

 

 

Lauro Trevisan - Faça a sua vida resultar

Sexta-feira, 18 de Julho de 2008

Um único homem

“Julie cresceu no seio de uma grande família, com sólidos princípios religiosos. A sua mãe incutira nela e nas irmãs a ideia de que o único homem com quem estivera toda a sua vida era o marido e que tal atitude revelava uma moral exemplar. Ambicionando poder dizer o mesmo às suas futuras filhas, Julie soube, ao ter sexo pela primeira vez com Robert, que teria de casar com ele, pois só assim garantiria a integridade moral que faria dela um modelo de conduta.

Nos anos seguintes, e a exemplo do que a sua própria mãe lhe dissera, Julie pôde, de facto, dizer às filhas que o único homem com quem havia estado era o pai delas. No entanto, não lhes conseguiu explicar porque razão o papá era tão mau, porque motivo ficava tantas noites fora de casa até tão tarde, ou porque é que ela própria chorava tanto.”
 
  A verdade sobre os grandes casamentosDr.ª Robin L. Smith
Clauclau às 09:38

| Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 30 de Junho de 2008

Pequenas mudanças

"Todos os meses, deixe de fazer pelo menos uma coisa que a ponha em baixo e acrescente pelo menos duas coisas de que goste à sua vida.

Se aquilo parecia demasiado simples para fazer realmente a diferença, a mulher decidiu fazê-lo, de qualquer maneira. Deixou de ir de carro para o emprego, coisa que detestava, e passou a ir de transportes públicos com uma colega cuja companhia lhe agradava. Além disso, começou a ter aulas de ioga ao fim de semana. Quase imediatamente, os seus níveis de energia aumentaram e sentiu-se como já não se sentia há anos.

No m~es seguinte, decidiu subtrair a dose matinal de açucar, que a fazia sentir-se nervosa até à hora de almoço, e adicionar uma garrafa de água por dia e uma ida semanal ao cinema. Quando uma das suas colegas comentou que andava com um ar mais feliz e lhe perguntou se encontrara "alguém especial" na sua vida, percebeu que sim: ela própria."

 

 

Chega aonde quiseres - Michael Neill

 

Domingo, 22 de Junho de 2008

Valor intacto

"Um amigo meu falou-me numa reunião em que tinha estado que a pessoa que estava à frente da sala pegou numa nota novinha em folha de 50 euros e perguntou quantas pessoas a queriam. Claro, todas as mãos que estavam na sala se levantaram. Então, a pessoa que estava à frente da sala fez tudo o que possa imaginar para dar cabo da nota de 50 euros: cuspiu-lhe, fez-lhe rasgões e até a amarrotou e a esfregou na sola do sapato até ficar toda suja.

- Quantos de vocês ainda a querem? - perguntou a pessoa que estava à frente da sala.

Lentamente, mas com segurança, todas as mãos que estavam na sala voltaram a levantar-se.

- Cada um de vocês é como esta nota de 50 euros - prosseguiu o orador. Independentemente do seu aspecto, independentemente daquilo por que passou, por mais gasto que esteja ou por mais longe da perfeição que pareça, o seu valor continua intacto.

 

 

Chega aonde quiseres - Michael Neill

Clauclau às 23:31

| Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 18 de Junho de 2008

Um quarto no céu

" Um dia, um ser humano foi para o céu, como muitas vezes fazem os seres humanos. À chegada, o ser humano foi recebido por uma multidão de anjos que lhe foram mostrar todas as maravilhas do céu. Durante a visita, o ser humano reparou que havia um quarto pelo qual os anjos passavam apressadamente sempre que se aproximavam.

- O que é que há naquele quarto? perguntou o ser humano.

Os anjos olharam uns para os outros como se receassem a pergunta. Finalmente, um deles avançou e disse amavelmente: "Não estamos autorizados a impedir-te de entrar, mas, por favor, acredita: não vais querer entrar ali."

A mente do ser humano começou a imaginar o que podia haver naquele quarto. Que é que podia ser tão horrível que todos os anjos do céu quisessem esconder? O ser humano sabia que, provavelmente, devia acreditar na palavra dos anjos, mas achou muito difícil resistir à tentação. "afinal", pensou o ser humano, "sou apenas um ser humano."

Encaminhando-se lentamente para o quarto, o ser humano estava cheio de medo e de curiosidade quanto aos horrores que poderiam estar para ser revelados. Mas, de facto, o quarto estava cheio das coisas mais maravilhosas que se podia imaginar: um lar lindíssimo; coisas óptimas; grande sabedoria; uma família feliz; amigos amorosos; e riquezas incomensuráveis.

De olhos esbugalhados, o ser humano voltou para junto dos anjos. "Mas por que é que não me queriam deixar entrar ali? Este quarto está cheio das coisas mais espantosas que já vi!"

Os anjos olharam uns para os outros com tristeza e viraram-se de novo para o ser humano.

"Estas eram as coisas todas que eras para ter tido enquanto estavas na Terra, mas nunca acreditaste que pudesses tê-las."

 

Chega Aonde Quiseres - Michael Neill

 

 

 

Clauclau às 18:21

| Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 16 de Junho de 2008

Mario Quintana e o casamento

"Escrevi um texto em que afirmava que achava bonito o ritual do casamento na igreja, com seus vestidos brancos e tapetes vermelhos, mas que a única coisa que me desagradava era o sermão do padre: "Promete ser fiel na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, amando-o(a) e respeitando(a) até que a morte vos separe?" Acho simplista e um pouco fora da realidade. Dou aqui novas sugestões de sermões:

Prometes não deixar que a paixão faça de ti uma pessoa controladora, e sim respeitar a individualidade do teu amado, lembrando-te sempre de que ele não te pertence e que está ao teu lado por livre e espontânea vontade?

Prometes saber ser amiga(o) e ser amante, sabendo exactamente quando devem entrar em cena uma e outra, sem que isso te transforme numa pessoa de dupla identidade ou numa pessoa menos romântica?

Prometes fazer da passagem dos anos uma via de amadurecimento e não uma via de cobranças por sonhos idealizados que não se chegaram a concretizar?

Prometes sentir o prazer de estar com a pessoa que escolheste e ser feliz ao lado dela pelo simples facto de ser a pessoa que melhor te conhece e, portanto, a mais bem preparada para te ajudar, assim como tu a ela?

Prometes que te deixas conhecer?

Prometes ser uma pessoa gentil, carinhosa e educada e não usar a rotina como desculpa para a falta de sentido de humor?

Prometes que farás sexo sem pudores, que farás filhos por amor e por vontade, e não porque é o que esperam de ti, e que os educarás para serem independentes e bem-informados sobre a realidade que os aguarda?

Prometes que não dirás mal da pessoa com quem casaste só para fazer os outros rir?

Prometes que a palavra liberdade continuará a ter a mesma importância que sempre teve na sua vida, que saberás responsabilizar-te por ti mesmo sem ficares escravizado pelo outro e que saberás lidar com a tua própria solidão, que casamento algum elimina?

Prometes que serás igual àquilo que eras minutos antes de entrar na igreja?

Sendo assim, declaro-os muito mais do que marido e mulher: declaro-os maduros."

 

In, Faça a sua vida resultar, Lauro Trevisan

Sexta-feira, 13 de Junho de 2008

Dementes

"Contam que durante uma visita a um hospital de dementes Sócrates perguntou ao Director qual era o critério para definir se um paciente estava curado ou não.

- Bem - diz o Director - nós enchemos uma banheira e oferecemos uma colher-de-chá e uma chávena e pedimos para esvaziar a banheira.

- Entendi - diz Sócrates - uma pessoa normal escolhe a chávena que é maior.

 

 

Não - respondeu o Director - uma pessoa normal tira a válvula do ralo.

 

 

 

 

 

Provavelmente a história não é real, mas dá-nos uma deliciosa lição: há incontáveis pessoas que acham que sabem tudo e que nunca precisam de ajuda."

 

 

Lauro Trevisan - Faça a sua vida resultar

 

 

 

 

 

 

 

Clauclau às 19:14

| Comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 5 de Junho de 2008

Negação da realidade

“Quantos não se encaminham para o altar na crença de que a santificação do casamento irá fazer com que o parceiro mude para melhor? Há quem lhe chame fé. Eu prefiro chamar-lhe uma firme negação da realidade.

Se ele já tem necessidade de controlo antes de casar, por que motivo deixará de a ter depois?
Se já não gosta de sexo antes de casar, por que motivo passará a gostar depois?
Se ele já tem dificuldade em manter um emprego antes de casar, porque motivo deixará de a ter depois?
Se ela já bebe demasiado antes de casar, por que motivo passará a beber menos depois.”
 
 A verdade sobre os grandes casamentos – Dr.ª Robin L. Smith

 

Pesquisar

 

Posts recentes

Qual o caminho

Privação da imensidão do ...

Desconfianças

Um único homem

Pequenas mudanças

Valor intacto

Um quarto no céu

Mario Quintana e o casame...

Dementes

Negação da realidade

Não estar apaixonada

Casamento - sinónimo de p...

Arquivo

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

tags

afl(30)

amor(260)

ana santa clara(9)

casamento(10)

catherine dunne(11)

citações(324)

dr.ª robin l. smith(8)

ildikó von kürthy(13)

joana miranda(60)

jorge bucay e silvia salinas(11)

livros(308)

margarida rebelo pinto(32)

maria joão lopo de carvalho(10)

miguel sousa tavares(24)

paulo coelho(28)

robin sisman(9)

sofrimento(21)

stefania bertola(12)

suzanne schlosberg(10)

vida(183)

todas as tags

Readspeaker

Imagens

Retiradas da net