Segunda-feira, 31 de Março de 2008

Reconhecer

"Porque é que não reconhecemos que, de facto, é triste não esperarmos ninguém e acordarmos sozinhos ao sábado de manhã? Não termos um aconchego para o espírito, nem ninguém realmente especial para telefonarmos, simplesmente a contar as notícias banais do dia?"
 
Palavra de mulher – Maria João Lopo de Carvalho
Clauclau às 17:23

| Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 19 de Março de 2008

Faz de conta

"Mas como se isto não bastasse, até a linguagem que usamos é um verdadeiro faz-de-conta: já repararam no léxico da velha desculpa para despachar intrusos? «de momento o doutor está em reunião». Já não é a história da reunião que na grande maioria dos casos nunca existe, mas aquelas duas palavrinhas supinamente irritantes «de momento». Qual momento qual carapuça? O doutor não vai atender nunca, porque não está para o aturar, percebe? Ou o «se calhar» era melhor combinarmos jantar noutro dia. Não é se calhar coisíssima nenhuma! Apetece responder: Porque, vai atirar a moeda ao ar e se sair sim, vem jantar, se sair não, fica para outro dia! Tretas! Até nem me apetece nada ir jantar. E sem nos darmos conta continuamos com o faz-de-conta por dá cá aquela palha."

 

Palavra de mulher – Maria João Lopo de Carvalho

Domingo, 9 de Março de 2008

Ignoro-as!

"... mas o pior são as outras, que vivem para nos humilhar: «tu não usas esfoliante? Nem desmaquilhante? Nem antiolheiras? E devias tomar banho gelado, sabes? Faz bem à celulite. E passar algas pelo corpo, que te reafirma a pele. E usar creme, para o cabelo não parecer um bacalhau.» Sinto-me um trapo, um enxovalho... não faço nada do que dizem. Pior, não faço a menor tenção de me corrigir."
Palavra de mulher – Maria João Lopo de Carvalho
Clauclau às 16:35

| Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 4 de Março de 2008

A espera...

"Sei que essa espera tem um fim, depois de crescer, de perceber, de amar por dentro sem pedir que aplaudas, mas sim que assistas que me venhas buscar e que dites o fim da minha espera. Por hora, basta-me que adormeças nos meus braços, que me apertes junto ao teu peito e me acompanhes nos nossos sonhos... Só assim tenho a certeza de que esperar por ti vale tudo, vale mais ainda porque se não for nesta vida será na outra, mas sei que um dia vamos poder inventar um tempo nosso."
 
Palavra de mulher – Maria João Lopo de Carvalho
 
 
 
 
 
Domingo, 2 de Março de 2008

O tempo não cura

"Dizem que o tempo cura. É mentira. O tempo não cura nada, o tempo alivia a dor, consola-nos a alma, ensina-nos a tratar dos afectos como pessoas crescidas. Uma espécie de anestesia fraquinha, que nos faz distrair de nós mesmos. Das nossas emoções e da força dos nossos sentidos. E depois vêm os entendidos, movidos pela urgência da cura. Trazem o diagnóstico numa mão e a receita na outra; chamam-lhe obsessão, fixação, paranóia, teimosia, e para que ela se instale há que declinar o verbo esquecer, em todos os tempos e modos, como se alguém estivesse realmente interessado em esquecer. Mas na verdade tornámo-nos «autistas do amor» e a convalescença é apenas o analgésico da recaída – quando nos julgamos sarados da ausência, ela ganha contornos antigos e de repente agiganta-se à nossa frente maior do que nunca antes."
 
Palavra de mulher – Maria João Lopo de Carvalho
Quarta-feira, 20 de Fevereiro de 2008

Nós

“Sei que essa espera tem um fim, depois de crescer, de perceber, de amar por dentro sem pedir que aplaudas, mas sim que assistas que me venhas buscar e que dites o fim da minha espera. Por hora, basta-me que adormeças nos meus braços, que me apertes junto ao teu peito e me acompanhes nos nossos sonhos... Só assim tenho a certeza de que esperar por ti vale tudo, vale mais ainda porque se não for nesta vida será na outra, mas sei que um dia vamos poder inventar um tempo nosso.”
 
Palavra de mulher – Maria João Lopo de Carvalho
 
Clauclau às 14:47

| Comentar | Adicionar aos favoritos
Sábado, 12 de Janeiro de 2008

Diferenças

“Para já, se não conseguirmos este estágio superior podemos pelo menos parecê-lo, o que às vezes resulta melhor. Em vez de lhes falarmos na bolsa falemos do bolso; em vez do orçamento de estado refiramos o orçamento doméstico disponível para os saldos da Zara; em vez do buraco de ozono, o buraco no cano da cozinha, em vez das listas de espera na saúde as listas do mês no Pingo Doce, em vez da politica actual, a política do casal em que existem muitas vezes uns seres estranhos destinados não à oposição, mas à procriação.”
 

Palavra de mulher – Maria João Lopo de Carvalho

Clauclau às 22:52

| Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 11 de Janeiro de 2008

Ciúmes

"O ciúme! Upssst... não há nada que doa mais! Dói no peito, dói na cabeça, até dói no corpo, por dentro e por fora. Porque é que alguém, em tempos idos foi tão perversos que inventou o ciúme? Há os favor que dizem que o ciúme é o cartão de visita do amor e os que têm para si que, quando há confiança mútua e uma grande sincronia, o ciúme não entra nem à força. Tudo teorias... quem é que não sente um nó na garganta quando o recente namorado atende o telemóvel no meio do jantar e com um risinho parvo responde: «eu depois ligo, agora não posso», ou então, pior um pouco, olha para o número e desliga com um ar comprometido.
É de arrancar os cabelos e só quem não vive é que nunca passou por isso.
Aliás, os telemóveis são os culpados da maior parte das cenas de ciúmes."
 
Palavra de mulher – Maria João Lopo de Carvalho
Clauclau às 13:16

| Comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 27 de Dezembro de 2007

No meu tempo

"Sou do tempo em que não se perdiam as coisas porque as coisas custavam dinheiro. Em que se estudava e se aprendia mal ou bem, porque a educação custava dinheiro, e ninguém nos ia oferecer uma vida de graça. Sou do tempo em que não se mandavam os professores aquela parte, em que não se era premiado por notas positivas (o mais que consegui foi um relógio de pulso depois do exame da 4.ª classe), em que se aprendia a tabuada, se faziam cópias e se liam livros à noite. Por isso, acho que estou velha."

 

Palavra de mulher – Maria João Lopo de Carvalho

Clauclau às 00:35

| Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 19 de Dezembro de 2007

Valores

"Valores que aprendemos ao colo dos nossos pais, como amizade, respeito, consideração, lealdade, foram para alguns completamente fechados na gaveta, a sete chaves, arquivados para a eternidade. A sedução é hoje eleita a rainha do século e a chave para a felicidade. Coroamo-nos de mistério, envolvemo-nos de falsidade e hipocrisia, fingimo-nos despreocupadas e espontâneas, quando é tudo absolutamente estudado. O cinismo e o jogo prevalecem. Dizemos, de boca cheia, que só estamos bem tranquilas, independentes e sozinhas, mas elegemos secretamente o nosso parceiro que, ludibriado por esta mulher resignada com a solidão, até acredita. E que ser ele a tirá-la do deserto e a reconciliá-la com os outros seres humanos, são estas, de entre nós, as mais perigosas, porque totalmente falsas. Usam de um estratagema tão batido e eficaz, que melhor ratoeira não há! Reparem, hoje os valores são totalmente descartáveis: é «normalíssimo» conhecermos o apaixonado da amiga e no dia seguinte irmos a um «tête-à-tête com ele; é «normalíssimo» deixarmos o nosso «cavaleiro» pendurado e bem cheiroso, de camisa engomada, à espera de um encontro combinado na véspera, e nem nos dignarmos a um telefonema; é «normalíssimo» mandarmos «mails» ingénuos e pretensamente lineares, quando, com eles, pretendemos tão-só, fazer correr fogo nas veias do nosso alvo."

 

Palavra de mulher – Maria João Lopo de Carvalho

Clauclau às 00:23

| Comentar | Adicionar aos favoritos

Pesquisar

 

Posts recentes

Reconhecer

Faz de conta

Ignoro-as!

A espera...

O tempo não cura

Nós

Diferenças

Ciúmes

No meu tempo

Valores

Arquivo

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

tags

afl(30)

amor(260)

ana santa clara(9)

casamento(10)

catherine dunne(11)

citações(324)

dr.ª robin l. smith(8)

ildikó von kürthy(13)

joana miranda(60)

jorge bucay e silvia salinas(11)

livros(308)

margarida rebelo pinto(32)

maria joão lopo de carvalho(10)

miguel sousa tavares(24)

paulo coelho(28)

robin sisman(9)

sofrimento(21)

stefania bertola(12)

suzanne schlosberg(10)

vida(183)

todas as tags

Readspeaker

Imagens

Retiradas da net