Terça-feira, 25 de Março de 2008

Hora certa

(...)Ao contrário do que os meus clientes pensam, o sexo não pode ser praticado a qualquer hora. Há um relógio escondido em cada um, e para fazer amor os ponteiros das duas pessoas têm de marcar a mesma hora ao mesmo tempo. Isso não acontece todos os dias. Quem ama não depende do acto sexual para se sentir bem. Duas pessoas que estão juntas, e que se querem bem, precisam de acertar os seus ponteiros, com paciência e preserverança, com jogos e representações "teatrais", até entenderem que fazer amor é mais do que um encontro; é um "abraço" das partes genitais.

Tudo tem importância. Uma pessoa que vive intensamente a sua vida tem prazer e não sente falta de sexo. Quando faz sexo, é por abundância, porque o copo de vinho está tão cheio que transborda naturalmente, porque é absolutamente inevitável, porque ela aceita o apelo da vida, porque ela nesse momento, apenas nesse momento, ela consegue perder o controlo."

Onze Minutos , Paulo Coelho

Clauclau às 17:10

| Comentar | Adicionar aos favoritos
Domingo, 17 de Fevereiro de 2008

Eu... e o tempo que não passa...

 

 

“Bem sei que muitas vezes sou uma contradição ambulante.
Está uma noite quente de verão – Isabel Ramos

Falar de coisas sérias a esta hora...
"Às vezes passamos dias e semanas inteiras sem receber nenhum gesto de carinho do próximo. São períodos difíceis, quando o calor humano desaparece e a vida se resume a um árduo esforço de sobrevivência.

 

Diz o mestre:

Devemos examinar a nossa própria lareira. Devemos colocar mais lenha e tentar iluminar a sala escura na qual a nossa vida se transformou. Quando ouvirmos o nosso fogo a crepitar, a madeira que estala, as histórias que as labaredas contam, a esperança ser-nos-á devolvida.

Se somos capazes de amar, também seremos capazes de sermos amados.

É apenas uma questão de tempo."

 

Maktub – Paulo Coelho
Clauclau às 01:14

| Comentar | Adicionar aos favoritos
Sábado, 16 de Fevereiro de 2008

Entusiasmo

"É sexta-feira, você chega a casa e pega em alguns jornais que não pôde ler durante a semana. Liga a TV sem som, coloca um disco. Usa o controlo remoto para passar de um canal para outro, enquanto folheia algumas páginas e presta atenção à música que está a tocar. Os jornais não trazem nenhuma novidade, a programação da TV é repetitiva e você já ouviu este disco dezenas de vezes.
A sua mulher está a cuidar das crianças, sacrificando o melhor da sua juventude, sem perceber bem porque o faz. Uma desculpa passa pela sua cabeça: «bem, a vida é isto mesmo.» Não, a vida não é isto mesmo. A vida é entusiasmo. Pense onde é que você deixou o seu entusiasmo escondido. Pegue na sua mulher e nos seus filhos e vá atrás dele, antes que seja tarde demais. O amor nunca impediu ninguém de seguir os seus sonhos.”
 
Maktub – Paulo Coelho
Clauclau às 14:29

| Comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 7 de Fevereiro de 2008

Precisar de amor

"Diz o mestre:
Todos nós precisamos de amor. O amor faz parte da natureza humana – tanto quanto comer, beber e dormir. Muitas vezes sentamo-nos diante de um belo pôr do sol, completamente sós, e pensamos:
«Nada disto tem importância, porque não posso compartilhar toda esta beleza com alguém.»
Nesses momentos, vale a pena perguntar: quantas vezes nos pediram amor e nós, simplesmente, virámos o rosto para o outro lado? Quantas vezes tivemos medo de nos aproximar de alguém e dizer, com todas as letras, que estávamos apaixonados?
Cuidado com a solidão. Ela vicia tanto quanto as drogas mais perigosas. Se o pôr do sol parece não ter mais sentido para si, seja humilde e parta em busca de amor. Saiba que – assim como os outros bens espirituais -, quanto mais estiver disposto a dar, mais receberá em troca."
Maktub – Paulo Coelho
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
                       
Segunda-feira, 4 de Fevereiro de 2008

Pequenos prazeres

“Diz o mestre:
Devemos cuidar do nosso corpo – ele é o templo do espírito santo e merece o nosso respeito e o nosso carinho.
Devemos aproveitar ao máximo o nosso tempo – é preciso lutar pelos nossos sonhos e temos de concentrar os nossos esforços nesse sentido. Mas é preciso não esquecer que a vida é composta de pequenos prazeres. Eles foram colocados aqui para nos estimular, ajudar a nossa busca, dar-nos momentos de repouso enquanto travamos as nossas batalhas diárias. Não existe pecado algum em ser-se feliz. Não existe nada de errado em - uma vez ou outra – transgredir regras de alimentação, de sono, de alegria. Não se culpe se – de vez em quando – perde tempo com tolices. São os pequenos prazeres que nos dão os maiores estímulos.”
 
Maktub – Paulo Coelho
Clauclau às 18:12

| Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 18 de Janeiro de 2008

Lição

"Era um dos mais respeitados guias da região, um homem que via na caça não um desporto selvagem, mas uma maneira de respeitar a tradição do lugar.
(...)
Quando chegava alguém com muito dinheiro, mas pouca experiência, ele levava-o para um lugar descampado. Ali, em cima de uma pedra, colocava uma lata de cerveja.
Afastava-se cinquenta metros da lata e, com um só tiro, fazia com que voasse para longe.
- Sou o melhor atirador da região – Dizia. – Agora você vai aprender uma maneira de ser tão bom quanto eu.
Recolocava a lata no mesmo lugar, voltava para a mesma distância, tirava um lenço do bolso e pedia que lhe vendassem os olhos. Em seguida, apontava na direcção do alvo, e tornava a disparar.
- Acertei? – perguntava, tirando a venda dos olhos.
- Claro que não – respondia o caçador recém-chegado, contente em saber que o orgulhoso guia tinha sido humilhado. – A bala passou muito longe. Não creio que possa ensinar-me alguma lição.
- Acabei de lhe ensinar a lição mais importante da vida – respondia o marido de Berta. – Sempre que você quiser conseguir alguma coisa, mantenha os olhos abertos, concentre-se, e saiba exactamente o que deseja. Ninguém atinge o seu alvo com os olhos fechados."
O demónio e a senhorita Prym – Paulo Coelho
Quarta-feira, 2 de Janeiro de 2008

O mesmo desejo

"Existe sempre alguém querendo exactamente a mesma coisa que tu desejas."
 
Veronika decide morrer – Paulo Coelho
Segunda-feira, 31 de Dezembro de 2007

Só o amor

Nós pensamos:

«Bem, realmente parece que a liberdade do homem consiste em escolher a própria escravidão. Trabalho oito horas por dia e, se for promovido, passarei a trabalhar doze horas. Casei e agora não tenho mais tempo para mim mesmo. Procurei Deus e sou obrigado a ir a cultos, missas, cerimónias religiosas. Tudo o que é importante nesta vida – amor, trabalho, fé – acaba por se transformar num fardo pesado demais.»

Diz o mestre:

Só o amor nos faz escapar. Só o amor pelo que fazemos transforma a escravidão em liberdade.

Se não podemos amar, é melhor parar agora. Jesus disse: «Se o teu olho esquerdo te escandaliza, fura-o. É melhor estar cego de um olho do que fazer com que todo o teu corpo pereça nas trevas.»

A frase é dura. Mas é isso mesmo.

Maktub - Paulo Coelho

 

 

Clauclau às 00:53

| Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 4 de Dezembro de 2007

Depressão

"Acendeu a luz – amanhecia cada vez mais tarde, à medida que o Inverno avançava. A ausência de luz, assim como as mudanças de casa ou os divórcios eram os principais responsáveis pelo aumento do número de casos de depressão. O Dr. Igor ansiava que a primavera chegasse depressa, e resolvesse metade dos seus problemas."
Veronika decide morrer – Paulo Coelho
Domingo, 2 de Dezembro de 2007

Desejos contidos

"Mulheres que tinham estudado em colégios de freiras sonhavam em serem humilhadas; homens de fato e gravata, funcionários públicos de alto escalão, dizendo que gastavam fortunas com prostitutas romenas apenas para que pudessem lamber-lhe os pés. Rapazes apaixonados por rapazes, raparigas enamoradas pelas amigas de colégio. Maridos que queriam ver as suas mulheres possuídas por estranhos, mulheres que se masturbavam cada vez que encontravam uma pista de adultério do seu marido. Mães que precisavam de controlar o impulso de entregar-se ao primeiro homem que tocava à campainha para entregar algo, pais que contavam aventuras secretas com os raríssimos travestis que conseguiam passar o rigoroso controlo da fronteira.
E orgias. Parecia que todos, pelo menos uma vez na vida, desejavam participar de uma orgia."
Veronika decide morrer – Paulo Coelho
Clauclau às 12:30

| Comentar | Adicionar aos favoritos

Pesquisar

 

Posts recentes

Hora certa

Eu... e o tempo que não p...

Entusiasmo

Precisar de amor

Pequenos prazeres

Lição

O mesmo desejo

Só o amor

Depressão

Desejos contidos

O sofrimento dos outros

Nada a perder

Arquivo

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

tags

afl(30)

amor(260)

ana santa clara(9)

casamento(10)

catherine dunne(11)

citações(324)

dr.ª robin l. smith(8)

ildikó von kürthy(13)

joana miranda(60)

jorge bucay e silvia salinas(11)

livros(308)

margarida rebelo pinto(32)

maria joão lopo de carvalho(10)

miguel sousa tavares(24)

paulo coelho(28)

robin sisman(9)

sofrimento(21)

stefania bertola(12)

suzanne schlosberg(10)

vida(183)

todas as tags

Readspeaker

Imagens

Retiradas da net