Sexta-feira, 2 de Março de 2007

Ler é viver e recordar

Livros... livros e mais livros. Estes têm sido uma constante na minha vida. Reconheço que faço parte de uma minoria, mas não me importo muito com isso. Passei a minha juventude a ouvir comentários dos meus vizinhos, que já com uma certa idade, diziam que andava sempre com os livros atrás e que ainda ia ficar maluca de tanto ler. As condições económicas não me permitiam comprar livros atrás de livros, porque infelizmente o preço fazia com que estes fossem considerados como um luxo. Embora compre um ou outro, a maior parte dos livros que leio são da Biblioteca Municipal, que quando a comecei a frequentar funcionava no r/ chão da Câmara Municipal e nenhuma semelhança tinha com a actual Biblioteca a não ser os livros. Todas as semanas passo por lá para entregar os três livros que tenho comigo e para trazer novos. Quase que posso dizer que muitos dos livros que vejo naquelas prateleiras já foram por mim lidos e folheados. Não quero com isto dizer que leia linha a linha, palavra a palavra. Como todo o leitor, concedo-me alguns direitos, tais como abandonar a leitura de um livro quando o mesmo nas primeiras vinte páginas não se revela interessante, o direito de saltar descrições, o direito de saltar páginas, o direito de ler quando quero, onde quero, e quando me apetece.

Todos os leitores têm os seus direitos, e Daniel Pennac enumera-os no seu livro Como um Romance:

 

 

1) O direito de não ler.
2) O direito de saltar páginas.
3) O direito de não acabar um livro.
4) O direito de reler.
5) O direito de ler não importa quê.
6) O direito de amar os "heróis" dos romances.
7) O direito de ler não importa onde.
8) O direito de saltar de livro em livro.
9) O direito de ler em voz alta.
10) O direito de não falar do que se leu.

 

 

 

Sempre gostei de ler. Ainda me recordo das minhas primeiras leituras. A minha casa era junto à casa da minha avó materna. Depois da morte do meu avô, para que não ficasse tão sozinha, passei a dormir em casa dela. Como ela não sabia ler, pedia que eu lesse para ela. Na altura andava na escola primária e os únicos livros que me tinham passado pelas mãos eram os manuais escolares, uma vez que em casa dos meus pais não existiam livros. Todos os dias lia alguns textos à minha avó, e sentia um orgulho imenso quando no outro dia ela contava à minha mãe e aos vizinhos as histórias que lhe tinha lido e quando, passado algum tempo, ela se recordava das histórias (textos) que já tinha lido... como é que ela se lembrava e dizia-me: "lê-me outra vez a da tartaruga. Gosto dessa.". Partiu quando eu tinha 15 anos, desde então deixei de ter ouvintes para as minhas leituras, e a partir daí passei a ler só com os olhos, só para mim, mas não perdi o gosto. É engraçado! Passaram quinze anos e ainda me consigo ver, em cima da cama, meio deitada, encostada à parede e à almofada, com o livro na mão, a ler para a minha avó, deitada ao meu lado.

O meu avô materno morreu muito mais cedo, tinha eu apenas 8 anos, e as recordações que guardo dele (nessa altura ainda eu não sabia ler) é que ele gostava de me contar histórias. Ainda me recordo de num final do dia em que estávamos sentados (debaixo da macieira que havia junto à casa, e que hoje já não existe, mas que ainda consigo ver nas minhas memórias) num banco feito com uma simples tábua de pinho, apoiada em dois tijolos,  ele me explicar porque é que a lua se assemelhava à cara de um Homem. A verdade é que nunca li qualquer história relacionada com a lua, mas ele costumava falar de um homem que trabalhava aos domingos e que cortava a erva com um foce e que nosso senhor como forma de o punir pelo trabalho aos domingos o tinha colocado no céu para que todos o pudesse ver, e que quando o vissem tivessem consciência do pecado que tinha cometido. E que esta seria a explicação para que quando se olhava para a lua, se conseguia ver nela a figura do pecador e a foce. Se assim era ou não, não sei, mas a verdade é que tudo isto são memórias que guardo no coração com uma grande ternura.  



Pesquisar

 

Posts recentes

Ler é viver e recordar

Arquivo

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

tags

afl(30)

amor(260)

ana santa clara(9)

casamento(10)

catherine dunne(11)

citações(324)

dr.ª robin l. smith(8)

ildikó von kürthy(13)

joana miranda(60)

jorge bucay e silvia salinas(11)

livros(308)

margarida rebelo pinto(32)

maria joão lopo de carvalho(10)

miguel sousa tavares(24)

paulo coelho(28)

robin sisman(9)

sofrimento(21)

stefania bertola(12)

suzanne schlosberg(10)

vida(183)

todas as tags

Imagens

Retiradas da net